Ex-Heróis - Peter Clines

domingo, 22 de junho de 2014

Autor: Peter Clines
Editora: Novo Século
Páginas: 344
Comprar

Stealth. Gorgon. Regenerator. Cerberus. Zzzap. Mighty Dragon. Eles eram heróis usando suas habilidades sobre-humanas para fazer de Los Angeles uma cidade melhor e mais segura. Até que uma terrível praga mortal se espalhou pelo mundo. Bilhões morreram, e hordas de zumbis levaram toda a civilização à ruína. Um ano depois, Mighty Dragon e seus companheiros são os protetores dos sobreviventes, refugiados em um estúdio de cinema transformado em fortaleza, o Monte. Assustados e traumatizados, os heróis combatem os vorazes exércitos de ex-humanos nos portões, lideram equipes para procurar por suprimentos e lutam para serem verdadeiros símbolos de força e esperança. Porém, os famintos ex-humanos não são as únicas ameaças que os heróis devem enfrentar. Velhos aliados, com poderes e mentes horrivelmente destorcidas pela morte, ocultam-se nas ruínas da cidade. E apenas poucos quilômetros os separam de outro grupo, lentamente acumulando poder e liderado por um inimigo com a habilidade mais aterrorizante de todas.


Ex-heróis é uma história que mistura dois elementos que eu particularmente gosto bastante: zumbis e heróis.
Após uma chuva de meteoros algumas pessoas foram atingidas por ondas de energia eletromagnética e desenvolveram poderes, como voar, cuspir fogo, gerar eletricidade, entre outros. Os heróis mantinham a cidade de Los Angeles em ordem, protegendo-as dos bandidos e mantendo a paz, coisas típicas de heróis mesmo, com direito a fantasias e tudo.
Até que em determinado momento um vírus se espalha e muitas pessoas passam a ser como zumbis, mortos-vivos, mas são chamados de ex, por serem ex-pessoas. 


“Quase ninguém usou a palavra ‘zumbi’. Foram chamados de ‘ex’ desde a primeira conferência de imprensa presidencial. Isso fez com que a situação se tornasse mais fácil de ser aceita, de alguma forma. Os ex-vivos. A maioria se parecia com humanos. Normalmente , os não lesionados e os mais novos que ainda não tinham se alimentado”. Pág. 35

Os heróis e o restante da população não infectada mantém abrigos em estúdios de cinema e um outro grupo, denominado Seventeens, mantém outro abrigo, e são rivais dos heróis.

Essa mistura de humanos, zumbis e heróis é quase como misturar Os vingadores com The Wlaking Dead, inclusive com algumas semelhanças entre as histórias, mas apesar dessas semelhanças o desenvolvimento é bem diferente.  E ao mesmo tempo em que remete a algumas histórias, a originalidade vem na junção que o autor fez desses universos distintos. E que foi muito bem feita, diga-se de passagem.

Os capítulos são intercalados entre o Agora e o Antes. O agora sendo os aco
ntecimentos após o apocalipse zumbi, e o antes contando a história de cada um dos heróis no começo de tudo. Essas histórias passado e presente também são uma grande sacada, primeiro porque o capítulo já começa com "Agora" e "Antes" o leitor já fica situado em que tempo se passa a história sem ficar perdido no meio, mas principalmente porque o passado de um herói é sempre contado dentro de um contexto, e volto a dizer, deixa o leitor mais situado na história do que se fosse em ordem cronológica e também permite saber como cada personagem se tornou herói ou zumbi e por que.
A narrativa, além de misturar o passado e presente, é contada sob diferentes pontos de vista. Os capítulos são divididos entre os personagens permitindo conhecer cada um sob uma ótica diferente.

Nesse novo mundo há ainda o grupo de Seventeens, contra o qual os humanos e heróis travam a maior das batalhas. O livro, além de original, já que não vi nenhum outro com essa temática que mistura heróis e zumbis, é também muito bem desenvolvido e mistura ação, aventura e um pouco de romance.

A leitura flui e prende a atenção, de forma que a gente quer saber logo o final. E o fim não é totalmente aberto. Claro que deixa algumas brechas para o próximo livro da série, mas a história principal tem um fechamento. Particularmente, não gosto de livros que deixam um milhão de coisas sem resolver.

Enfim, é um livro original e que reúne dois mundos que eu gosto muito. Mesmo quem não gosta deve dar uma chance, porque a história é muito bem desenvolvida e, como disse antes, prende a atenção e instiga a curiosidade.

E termino roubando uma frase da contracapa do livro: "Zumbis? Certo. Super-heróis? Certo. Narrativa impressionante? Certo. Ex-heróis tem tudo isso. Pode se preparar". 

Comentários via Facebook

4 comentários:

  1. Oi, Glaucea!

    Esse não é um livro que faz meu estilo, não sou fã de super heróis, por isso nem me animo a ler.

    Beijos!

    www.oblogdasan.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Glaucea! Essa é a primeira resenha que leio sobre o livro e juro pra você que fiquei doidinha pra ler. Nunca soube de nenhum outro livro parecido e depois de tantos comentários bons, você me deixou mega curiosa! Também não curto finais que deixam tudo em aberto! Quero muito ver o resultado dessa união de mundos diferentes! Hahahaha

    Beijos! ♥

    ResponderExcluir
  3. Ola,
    Sou blogueira e escritora e estou lançando meu primeiro livro pela Amazon entitulado Vingança Mortal. Gostaria de te convidar a conhecer um pouquinho mais do mesmo no link a seguir:
    http://leiturakriativa.blogspot.com.br/2014/07/super-novidade-vinganca-mortal-de.html
    Desde já agradeço a atenção e com certeza retribuirei os comentário.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa

    ResponderExcluir
  4. Oi Glaucea!
    Herois e Zumbis, nunca tinha pensado nessa mistura e parece que deu certo, ein?! Fiquei bastante curiosa para ver no que deu essa mistura.

    Beijos,
    http://www.epilogosefinais.com/

    ResponderExcluir