Perdido em Marte - Andy Weir

sábado, 17 de janeiro de 2015

Autor: Andy Weir
Editora: Arqueiro
Páginas: 335
Compre aqui


Há seis dias, o astronauta Mark Watney se tornou a décima sétima pessoa a pisar em Marte. E, provavelmente, será a primeira a morrer no planeta vermelho. Depois de uma forte tempestade de areia, a missão Ares 3 é abortada e a tripulação vai embora, certa de que Mark morreu em um terrível acidente. 

Ao despertar, ele se vê completamente sozinho, ferido e sem ter como avisar às pessoas na Terra que está vivo. E, mesmo que conseguisse se comunicar, seus mantimentos terminariam anos antes da chegada de um possível resgate. Ainda assim, Mark não está disposto a desistir. Munido de nada além de curiosidade e de suas habilidades de engenheiro e botânico e um senso de humor inabalável , ele embarca numa luta obstinada pela sobrevivência. Para isso, será o primeiro homem a plantar batatas em Marte e, usando uma genial mistura de cálculos e fita adesiva, vai elaborar um plano para entrar em contato com a Nasa e, quem sabe, sair vivo de lá.


Então, esta é a situação: estou perdido em Marte. Não tenho como me comunicar com a Hermes nem com a Terra. Todos acham que estou morto. Estou em um Hab projetado para durar 31 dias. Se o oxigenador quebrar, vou sufocar. Se o reaproveitador de água quebrar, vou morrer de sede. Se o Hab se romper, vou explodir. Se nada disso acontecer, vou ficar sem alimento e acabar morrendo de fome. Então, é isso mesmo. Estou ferrado". Pág. 14.

Uma ficção científica incrível, que possui um embasamento teórico muito rico e mesmo assim não deixa a leitura chata ou cansativa. 

Quando Mark sofre um acidente e a tripulação precisa ir embora de Marte as pressas acreditando que ele está morto, o astronauta começa um 'corrida' contra o tempo para conseguir se manter vivo até que a próxima expedição chegue ao planeta, o que deve ocorrer em quatro anos. O principal problema é que a comida disponível não durará até o resgate e ele não tem comunicação nenhuma com a Terra para avisar que está vivo.

Nos cinco primeiros capítulos o personagem começa a pensar em formas de sobreviver e a colocar em prática vários planos. Quando comecei os primeiros capítulos, pensei que seria muito cansativo a leitura, já que na maior parte do tempo Mark está explicando como vai fazer para aumentar o reservatório de água, para criar hidrogênio, fazer um solo fértil e mais um monte de coisas científicas.

Mas a partir do capítulo seis as coisas começam a mudar e o livro fica mais dinâmico. Através de satélites a Nasa descobre que Mark está vivo e começa a acompanhar, através de fotos, a saga do personagem, ao mesmo tempo em que começa a traçar planos para resgatá-lo com vida.

"Minha conversa com a Nasa sobre o reaproveitador de água foi chata e cheia de detalhes técnicos. Portanto, vou parafraseá-la para você.
Eu: 'Isso com certeza é um entupimento. Que tal eu desmontá-lo e verificar os tubos internos?'
Nasa (depois de cinco horas de deliberação): 'Não, você vai ferrar com tudo e morrer'.
Então eu o desmontei".

Os capítulos são divididos entre narrações em primeira pessoa de Mark e em terceira pessoa quando se trata da Nasa ou as coisas que se passam na Terra. A parte de Mark é narrada em forma de diário de bordo, onde ele vai contando o que acontece nos seus dias para o caso de se morrer em Marte, alguém encontrar seu diário. 

O personagem é muito bem construído e passa por vários momentos diferentes, mas ao mesmo tempo é muito bem humorado e irônico tendo em vista toda a situação pela qual está passando. Em várias o livro deixa o leitor agoniado, quando você pensa que vai dar certo o plano do personagem, acontece alguma coisa que muda tudo e a gente se envolvido para que ele consiga sair dali.

E as partes com as explicações científicas, que no começo achei cansativas, no decorrer da leitura considerei como ponto positivo, já que o autor vai esclarecendo, em forma de narração do próprio personagem, os passos para conseguir tais coisas de forma que a história não fique tão absurda, e até para mim, leiga no assunto, ficou fácil de entender.

"Fico pensando se algum dia vão descobrir o que realmente aconteceu. Tenho estado tão ocupado tentando me manter vivo que nunca pensei no que meus pais devem estar passando. Neste momento, estão sentindo a pior dor que alguém pode suportar. Eu daria tudo para avisá-los que ainda estou vivo. 
Acho que vou ter que sobreviver para me redimir". Pág. 22.

* O livro teve os direitos comprados e o filme está previsto para ser lançado em 2015.

Comentários via Facebook

9 comentários:

  1. Gostei da resenha Glaucea. Confesso que o livro não faz muito o meu gênero, apesar de só ver elogios a respeito dele. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Glau! Esta é a segunda resenha positiva que leio do livro, estou com muita vontade de ler, ficção cientifica não é muito meu estilo preferido, mas a trama não parece ser cansativa como sempre acontece.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  3. Olá Glaucea,
    Quando eu soube do lançamento desse livro, nem dei muita importância para ele, porém, com a quantidade de resenhas positivas que eu li deste livro, agora estou super curiosa!

    Beijos, www.rayramii.com

    ResponderExcluir
  4. Todas as resenhas que vejo me deixam mais curioso em relação a esse livro, uma curiosidade que, pra falar a verdade, não existia na época do lançamento. O interessante é que todas também ressaltam sobre as questões científicas, mas dizem que elas deixam de ser cansativas ao longo da leitura. Isso é realmente ainda mais motivador. :) Espero gostar quando tiver a oportunidade.

    Beijos,
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir
  5. Glaucea, eu acho histórias assim são muito interessantes. Esse livro, especialmente, tem uma proposta muito boa, mas fiquei com medo da trama ser cansativa, principalmente pelas questões científicas. Mas já que você afirmou que isso não ocorre, necessariamente, estou considerando a leitura. Parece ser bem eletrizante.

    Abraços,
    http://universoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Glaucea confesso que não me empolguei quando vi esse livro pela primeira vez. Mas gostei muito da sua resenha. Quem sabe eu mude de opinião quando começar a ler. Obrigada pela dica.

    Beijos
    Passa lá:
    www.viagem-imaginaria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Você me conquistou ali na primeira linha, porque gosto quando há teoria, mas sem deixar a coisa toda chata. É melhor ainda saber que vai virar filme. Eu já tinha lido sobre esse livro no Flipboard, mas agora coloquei ele na lista, definitivamente haha. Tava procurando um nesse tema, desde que assisti Interstelar.

    Beijos; Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
  8. Olá.
    Ótima resenha querida. Eu já vi bons comentários a respeito desse livro, então estou um pouco curiosa para ler, quem sabe um dia. Que bom que apesar dos pesares, o livro não consegue ficar chato com todos os detalhes de sobrevivência e afins, isso é bom.

    Beijos, Vanessa.
    This Adorable Thing
    http://thisadorablething.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá Glaucea,

    Li esse livro e gostei demais, no inicio é cansativo, mas depois a leitura flui muito bem, parabéns pela sua resenha....abraço.


    http://devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir