12 livros para ler em 2017

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Fiz esta lista ano passado e li oito dos 12 que me prôpus a ler. Portanto, os quatro que ficaram sem ler coloquei de novo na lista (os quatro primeiros) e escolhi mais oito para completar os 12. O critério foi apenas livros que tenho há algum tempo, todos mais de um ano.

O mundo pós-aniversário - Lionel Shriver

O mundo pós-aniversário aborda o relacionamento aparentemente sólido de um casal de americanos radicado em Londres. Ele é um disciplinado pesquisador de um instituto de estudos estratégicos; ela, uma acomodada ilustradora de livros que depara com uma vontade incontrolável de beijar outro homem: um velho amigo do casal, impetuoso jogador de sinuca que figura no topo do ranking do esporte, um dos mais populares entre os britânicos.
Capítulo a capítulo, Lionel Shriver nos oferece dois desdobramentos do futuro dessa mulher sob a influência de dois homens radicalmente diferentes, e assim escreve duas histórias. A partir daquele único beijo, retrata alternativas para união e rompimento, e explora as consequências e as motivações mais íntimas de uma escolha. 


Farenheit 451 - Ray Bradbury

Escrito após o término da Segunda Guerra Mundial, em 1953, Fahrenheit 451, de Ray Bradubury, revolucionou a literatura com um texto que condena não só a opressão anti-intelectual nazista, mas principalmente o cenário dos anos 1950, revelando sua apreensão numa sociedade opressiva e comandada pelo autoritarismo do mundo pós-guerra.
O livro descreve um governo totalitário, num futuro incerto, mas próximo, que proíbe qualquer livro ou tipo de leitura, prevendo que o povo possa ficar instruído e se rebelar contra o status quo. Tudo é controlado e as pessoas só têm conhecimento dos fatos por aparelhos de TVs instalados em suas casas ou em praças ao ar livre. A leitura deixou de ser meio para aquisição de conhecimento crítico e tornou-se tão instrumental quanto a vida dos cidadãos, suficiente apenas para que saibam ler manuais e operar aparelhos.


O Rei de amarelo - Robert W. Chambers
 
'O Rei de Amarelo' é uma coletânea de contos de terror fantástico publicada originalmente em 1895 e considerada um marco do gênero. O título da coletânea faz alusão a um livro dentro do livro - mais precisamente, a uma peça teatral fictícia - e a seu personagem central, uma figura sobrenatural cuja existência extrapola as páginas. A peça 'O Rei de Amarelo' é mencionada em quatro dos contos, mas pouco se conhece de seu conteúdo. É certo apenas que o texto, em dois atos, leva o leitor à loucura, condenando sua alma à perdição. Um risco a que alguns aceitam se submeter, dado o caráter único da obra, um misto irresistível de beleza e decadência. Esta edição reúne, além dos contos do Rei, seis outros que alternam entre o sobrenatural e a realidade, em épocas e geografias diferentes. 


O voo da libélula - Michel Bussi
Na noite de 23 de dezembro de 1980, um avião cai na fronteira entre a França e a Suíça, deixando apenas uma sobrevivente: uma bebê de 3 meses. Porém, havia duas meninas no voo, e cria-se o embate entre duas famílias, uma rica e uma pobre, pelo reconhecimento da paternidade.
Numa época em que não existiam exames de DNA, o julgamento estende-se por muito tempo, mobilizando todo o país. Seria a menina Lyse-Rose ou Émilie? Mesmo após o veredicto do tribunal, ainda pairam muitas dúvidas sobre o caso, e uma das famílias resolve contratar Crédule Grand-Duc, um detetive particular, para descobrir a verdade.
Dezoito anos depois, destroçado pelo fracasso e no limite entre a loucura e a lucidez, Grand-Duc envia o diário das investigações para a sobrevivente Lylie e decide tirar a própria vida. No momento em que vai puxar o gatilho, o detetive descobre um segredo que muda tudo. Porém, antes que possa revelar a solução do caso, ele é assassinado
.

O menino dos fantoches de Varsóvia - Eva Weaver
 
O avô de Mika morreu no gueto de Varsóvia e o menino herdou não apenas seu grande casaco, mas também um tesouro cheio de segredos. Em um bolso meio escondido, ele encontra uma cabeça de papel machê, um retalho... o príncipe. E um teatro de marionetes seria uma maneira incrível de agradar o primo que acabou de perder o pai, o menininho que está doente, os vizinhos que moram em um quartinho apertado.
Logo o gueto inteiro só fala do mestre das marionetes - até chegar o dia em que Mika é parado por um oficial alemão e empurrado para uma vida obscura. Esta é uma história que atravessa continentes e gerações, de Varsóvia à Sibéria, e duas vidas que se entrelaçam em meio ao caos da guerra. Porque mesmo em tempo de guerra existe esperança.


Bergdorf Blondes - Plum Sykes
"As Berdgdorf Blondes são o máximo, sabe, uma mania em Nova York", explica a narradora. "Decididamente todas as garotas querem ser como elas. Você não tem ideia da dedicação necessário para se transformar numa nova-iorquina esplendorosa, de cabelos dourados, dermatologicamente perfeita, com uma vida fabulosa". Enfim, Bergdorf Blondes são aquelas incríveis garotas que têm personal shopper, são adeptas do indoor bronze, pegam carona em jatinhos particulares e correm incessantemente atrás de um noivo ricaço. Mas será possível encontrar o amor em uma cidade em que a felicidade é ser convidada para uma ultrassecreta liquidação de joias da Van Cleef & Arples?
Bergdorf Blondes é uma moderna sátira social estrelada por uma garota em forma de bolha de champanhe que quer encontrar o amor de verdade, e quem sabe também comprar o último modelo de jeans Chloé.
 
As violetas de março - Sarah Jio
 
Emily Taylor é uma mulher jovem e escritora de sucesso, mas não gosta muito de seu livro livro. Também tem um casamento que parece ideal, no entanto, ele acabará em divórcio. Sentindo que sua vida perdeu o propósito, Emily decide fazer as malas e passar um tempo em Bainbridge - a ilha onde morou quando menina - para tentar se reorganizar.
Enquanto busca esquecer o ex-marido e, ao mesmo tempo, arrumar material para um novo e mais verdadeiro livro, um antigo colega de escola e o namorado proibido da adolescência tornam-se seus companheiros frequentes. Entretanto,  o melhor parceiro de Emily será um diário da década de 1940, encontrado no fundo de uma gaveta.
Com o diário em mãos, Emily sentirá o estranhamento e a comoção causados pela leitura de uma biografia misteriosa que envolve antigos habitantes da ilha e que tem muito a ver com sua própria história. Assim como as violetas desabrocham fora da estação para mostrar que tudo é possível, a vida de Emily poderá tomar um rumo improvável e cheio de possibilidades.

                 Brooklyn, sem pai nem mãe - Jonathan Lethem

A Síndrome de Tourette de Lionel Essrog faz com que ele toque pessoas e objetos de modo compulsivo, distribua tapinhas nos ombros de mafiosos ou nas nádegas de distintas senhoras e vocifere palavrões durante uma reunião de meditação zen-budista. Esse é o narrador e personagem principal deste livro, um romance policial divertido e comovente.
Criado num orfanato, Lionel Essrog cresceu hostilizado pelos companheiros. Ninguém entende seu comportamento, até que Frank Minna, um pequeno mafioso do Brooklyn, tira-o do orfanato e lhe oferece trabalho numa empresa de táxi que serve de fachada para uma agência de detetives, que por sua vez serve de cobertura sabe-se lá para que negócios escusos. O idílio de Lionel com a existência termina com o misterioso assassinato de Minna. Reconduzido à solidão, lutando contra as urgências da sua Tourette, ele tenta descobrir o autor da morte da única pessoa que o compreendeu - Minna, que o chamava de Show de Aberrações Humanas.

Depois daquela viagem - Valéria Piassa Polizzi
 
No tom coloquial próprio dos jovens, Valéria Polizzi relata com bom humor e descontração as farras com a turma de amigos, a dúvida entre "ficar" ou namorar, o despertar da sexualidade, a angústia diante do vestibular e muitas coisas que atormentam qualquer adolescente. Tudo isso seria perfeitamente natural se não fosse por um pequeno detalhe que iria fazer uma enorme diferença: Valéria contraiu AIDS aos 16 anos.
A autora mostra como, de repente, por causa de quatro letrinhas, sua vida passou por uma reavaliação radical. Ela expõe, sem meias palavras, como a doença mexeu com sua cabeça e com os seus sentimentos, ficando claro a sua resolução de preservar sua condição de ser humano a qualquer custo.


 
O Enigma do oito - Katherine Neville

Com personagens que se movem como peões num tabuleiro, 'O enigma do oito' conta a história do lendário xadrez do imperador Carlos Magno, que recebeu o valiosíssimo conjunto do governador muçulmano de Barcelona, Ibn-al-Arabi e, mais tarde, enviou o conjunto como presente a Garin de Montglane. Rumores a respeito de uma terrível maldição ligada ao xadrez causou temos e Garin enterrou o jogo dentro de sua fortaleza, que mais tarde se tranformou na Abadia de Montglane e abrigou o mítico xadrez por mais de mil anos, quando ele foi desenterrado às vésperas do início da Revolução Francesa.
Quase 200 anos depois, na década de 1970, em Nova York, uma especialista em informática se vê envolvida num perigoso jogo, iniciado dois séculos antes, quando o xadrez deixou a Abadia.
Um romance de ação, suspense e mistério, no qual cada reviravolta é uma jogada de mestre.



Eu, robô - Isaac Asimov

'Eu, robô' reúne os primeiros textos de Isaac Asimov sobre robôs, publicados entre 1940 e 1950. São nove contos que relatam a evolução dos autômatos através do tempo, e que contêm em suas páginas, pela primeira vez, as célebres 'Três Leis da Robótica' - os princípios que regem o comportamento dos robôs e que mudaram definitivamente a percepção que se tem sobre eles na literatura e na própria ciência.






Filme noturno - Marisha Pessl

Em uma noite fria de outono, Ashley Cordova é encontrada morta em um armazém abandonado em Manhattan. Embora a polícia suspeite de suicídio, o jornalista Scott McGrath acredita que exista algo mais por trás dessa história. Seu interesse pelo caso não é gratuito: Ashley é filha do famoso e recluso diretor de filmes de terror Stanislas Cordova, um homem que não é visto em público há mais de trinta anos e que, no passado, teve um papel trágico na vida de McGrath.
Impulsionado por vingança, curiosidade e necessidade de descobrir a verdade, o jornalista é atraído para o horripilante e hipnótico mundo de Stanislas. Da última vez que chegou perto do cineasta, McGrath perdeu o casamento e a carreira. Dessa vez, pode acabar perdendo muito mais.
Com uma narrativa ágil, pontuada por recortes de jornal, páginas da internet, relatórios policiais e bilhetes manuscritos, Filme Noturno é um thriller que mantém o leitor preso até a última página

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário