Adaptações de livros nos cinemas - Janeiro

domingo, 6 de janeiro de 2019


Máquinas Mortais  
Baseado na série de livros britânicos "Máquinas Mortais", de Philip Reeve, a trama se passa quase 200 anos após a civilização ser destruída por um evento cataclísmico e a humanidade precisou se adaptar a nova realidade. Os sobreviventes vivem agora em cidades gigantes em movimento, chamadas Cidades Tração, onde as grandes se impõem contra as pequenas em busca de recursos naturais. Tom Natsworthy vive na Cidade Tração de Londres e, quando Londres se envolve em um ataque, é lançado para fora da cidade. Junto com a fugitiva Hester Shaw, ele precisa lutar para sobreviver e enfrentar uma ameaça que coloca a vida no planeta em risco.
Estreia em 10 de janeiro de 2019
Livro do autor Philip Reeve (Editora Harper Colins)



 
-------------------------------------------------------------------------------


Se a rua Beale falasse
Baseado no célebre romance de James Baldwin, a trama é contada pela ótica de Tish, uma jovem do Harlem, de 19 anos, que vê o amor de sua vida e pai de seu filho, Fonny, ser injustamente acusado de um terrível crime e de subtextos racistas. Com o casamento em espera e o noivo na prisão, Tish e as famílias do casal lutam para limpar o nome do rapaz, a tempo de tê-lo em casa para o nascimento de seu bebê. 
Estreia em 24 de janeiro de 2019
Livro do autor James Baldwin (Editora Companhia das Letras)



-------------------------------------------------------------------------------


Boy Erased - Uma vida anulada
Baseado no livro homônimo de Garrard Conley. O jovem Garrard de apenas 19 anos mora numa pequena cidade conservadora do Arkansas. Ele é gay e filho de um pastor da igreja batista. Chega um momento em que ele é confrontado pela família, ou arrisca perder sua família e amigos ou entra em um programa de terapia que busca a "cura" da homossexualidade. Diante do abandono iminente da família, o rapaz topa entrar no tratamento.
Estreia em 31 de janeiro de 2019
Livro do autor Garrard Conley (Editora Intrínseca)





Doze livros para ler em 2019

terça-feira, 1 de janeiro de 2019

Um livro por mês, além dos outros que a vontade escolher.

1 - Os homens que não amavam as mulheres
O jornalista Mikael Blomkvist acaba de ser condenado e sentenciado a três meses de prisão por difamar um poderoso financista. Recebe então uma proposta intrigante: o grande industrial Henrik Vanger quer contratá-lo para escrever a biografia de sua conturbada família. Mas, sobretudo, Vanger quer que Mikael investigue o sumiço de sua sobrinha Harriet, desaparecida sem deixar vestígios há quase quarenta anos. Henrik também se dispõe a salvar a 'Millennium', revista capitaneada por Mikael, e que se encontra em risco de falência. De início contrariado, o jornalista acaba aceitando a tarefa.
Harriet desapareceu quando sua família se reunia para um encontro em uma ilha. Inteligente e sensível, a moça era a favorita de Henrik. Suspeitos não faltam, pois, se todas as famílias tem esqueletos no armário, o clã Vanger parece dispor de um cemitério inteiro. Em sua busca febril, Mikael recebe a ajuda de uma jovem e genial hacker, Lisbeth Salander, cuja magreza anoréxica só é comparável à fúria silenciosa que nutre contra a sociedade. Mas, como Mikael logo compreende, se alguém esconde um segredo torpe, é certo que Lisbeth irá descobri-lo. E, de fato, pouco a pouco, o jornalista e sua improvável parceira desvendam um verdadeiro circo de horrores.

2 -  Echo Park
Echo Park é o décimo segundo romance em que Michael Connelly apresenta Harry Bosch, um detetive experiente, obcecado pelos crimes que investiga. Desta vez, Harry é assombrado por um fantasma. Um fantasma que o perturba há treze anos.
Em 1993, ele investiga o desaparecimento da jovem Marie Gesto, que, após ser vista indo ao supermercado, nunca mais foi encontrada. Como vestígio, apenas seu carro com algumas de suas roupas e compras dentro. Por mais que tenha lutado para descobrir seu paradeiro, Harry não conseguiu concluir a investigação, que passou a figurar na lista da delegacia de Casos Abertos / Não Resolvidos. Agora o detetive veterano vislumbra a chance de poder, finalmente, desvendar o mistério que o martirizou por tanto tempo.Raynard Waits é um homem acusado de matar e esquartejar duas pessoas, mas existem suspeitas de que ele também tenha cometido outros nove assassinatos. Entre eles, o de Marie Gesto. Mas ele pretende propor um acordo à Justiça para escapar da pena de morte. Em troca da atenuação de sua pena, o réu mostraria onde estão os corpos das nove pessoas desaparecidas e assassinadas por ele. A partir daí, Harry Bosch terá que enfrentar inúmeros desafios, um após o outro. Precisará estar próximo do homem que talvez seja o culpado por tantos anos de agonia e dúvidas, provavelmente o inimigo mais sádico e perigoso que tenha encontrado em toda sua vida. E ainda terá que conviver com a culpa por ter ignorado uma pista que poderia ter concluído o caso ainda em 1993, evitando a série de assassinatos que se seguiu.

3 -  As ruínas
Quatro amigos americanos de férias em Cancún, Mexico - Jeff, Amy, Eric e Stacy - conhecem um turista alemão que os convence a participar de uma busca a seu irmão, Henrich, que desapareceu com a namorada depois que foi ao local visitar umas ruínas. Os jovens em breve se arrependerão de ter aceito o convite, quando perceberem que estão presos na selva e aterrorizados por sinais que indicam que eles foram levados em direção ao mal...
 
4 - Anjos das sombras
Na sombra do poder, a verdade parece mais clara. Todo o luxo da escandalosa corte de Charles II, rei da Inglaterra, não é capz de ofuscar os olhos e ouvidos da dama de honra Alice Verney, sempre atenta às fofocas e intrigas dos bastidores do governo. Ela jura que a princesa foi assassinada e que a próxima vítima será a rainha. Mas quem acredita nela? Anjos das Sombras, de Karleeen Koen, é um romance sobre o poder, a luxúria e os labirintos da corte ingles do século 17, reconstituída em detalhes por uma das maiores contadoras de histórias de nosso tempo.
 
5 - Pequim em coma
Ao mesmo tempo alegoria de uma China em transformação e uma análise seminal dos protestos estudantis da Praça da Paz Celestial que culminaram no massacre de junho de 1989, PEQUIM EM COMA é a obra-prima do escritor chinês Ma Jian. Com humor negro, fina ironia, beleza poética e uma raiva profunda, este extraordinário romance confirma o autor como um dos mais intensos escritores chineses da atualidade.
Nascido em Qingdao, China, e, atualmente morando na Inglaterra, Ma Jian chegou a participar, na primavera de 1989, do movimento que reuniu milhares de estudantes chineses na Praça da Paz Celestial, no centro de Pequim. Massacrados pelo Exército ao exigir que o regime comunista promovesse reformas democráticas, os estudantes marcaram para sempre não apenas a história de seu país e do mundo, como a imaginação de Ma Jian. 
Em PEQUIM EM COMA, seu épico sobre o massacre, o autor conta a história de Dai Wei, um dos estudantes envolvidos nas manifestações. Há quase uma década em coma profundo, após ser atingido pela bala de um dos soldados, seu corpo é sua prisão. Mas as lembranças permitem a fuga. Acompanhamos quando ele se apaixona, larga a escola, chega à universidade, reflete sobre as mudanças, sobre o passado traumático dos pais durante a Revolução Cultural e sobre o presente. 
Em coma, Dai Wei não pode enxergar ou se mover, mas ouve tudo o que acontece no mundo ao seu redor: o esforço da mãe para mantê-lo com vida; a ação do governo para suprimir toda a memória do Massacre da Praça da Paz Celestial; o envolvimento de seus amigos com o capitalismo frenético da China. Conforme o relato minuto-a-minuto dos acontecimentos que culminam no tiro se torna mais intenso, o leitor se vê hipnotizado por uma fascinante jornada emocional, onde os limites entre vida e a morte se tornam cada vez mais nebulosos.

6 - Os Maias
Nessa saga familiar, os personagens vivem as aspirações, conflitos e paixões que refletem as forças transformadoras da sociedade em Portugal e no mundo então. 
As intrigas e os acontecimentos que cercam o velho Afonso da Maia, seu neto Carlos Eduardo - que vive um amor impossível com Maria Eduarda -, João da Ega, o conde de Gouvarinho e outras figuras tornaram-se verdadeiros símbolos de uma nação que debatia seu próprio destino e fracassava em construí-lo. 
A ironia, o sentimentalismo e a crítica mordaz são alguns dos componentes fundamentais da grandiosidade literária de Eça de Queirós, que se completa na criação de seus personagens e na construção novelística, na descrição comovente e dramática da vida e da sociedade de seu tempo.
Obra máxima de Eça de Queirós, marco da literatura portuguesa, Os Maias envolve o leitor na irresistível atmosfera da Lisboa de fins do século XIX. Tendo como protagonistas Afonso, Pedro e Carlos Eduardo da Maia, e apresentando outros personagens memoráveis, como João da Ega, Dâmaso Salcede, Maria Eduarda e o casal Gouvarinho, narra a trajetória de uma família, a história de um amor impossível e os rumos de um país. Eça dá vida a um refinado jogo social e compõe um panorama da cultura e dos problemas sociais e políticos do seu tempo, numa prosa limpa, cortante e inigualável.
 
7 - A sangue frio
Um homem religioso, uma mãe depressiva, um adolescente, uma garota dona de casa, um cachorro amedrontado e dois ladrões frustrados. Esses e outros personagens são os ingredientes chave para o romance jornalístico A sangue frio, de Truman Capote. O livro é uma reportagem investigativa sobre o assassinato de quatro membros da família Clutter, o casal e seus dois filhos caçulas, ocorrido em 1959 na cidade de Holcomb, no Kansas, Estados Unidos.
 
9 - Pássaros feridos
No panorama da ficção contemporânea, ´Pássaros Feridos´ tem, sem dúvida, um lugar de honra. Trata-se de um romance denso, épico, pungente e literariamente bem estruturado. Seus personagens, sofridos e marcantes, se integram num cenário rude e fascinante: as vastas extensões dos campos australianos, povoados de carneiros e rarefeitos de homens, que forçam seus minguados habitantes a uma existência isolada, pioneira, quase primitiva, na qual os caracteres se modelam muito à semelhança desse ambiente.
10 - Conversando com Mrs. Dalloway
Celia Blue Johnson apresenta nesse maravilhoso livro as histórias por trás de 50 clássicos. O que inspirou e fez cada uma ganhar corpo e tornar-se um sucesso da literatura. Autores como J.R.R. Tolkien, Gabriel García Márquez e Lewis Carroll tiveram inspiração em frases aleatórias, lugares ou fatos corriqueiros para compor verdadeiras obras-primas. Os clássicos da literatura universal tratam não só da crítica e pensamento da época em que foram escritos, mas da universalidade dos sentimentos humanos no decorrer do tempo, tornando-os imortais. Conhecer mais do processo criativo dos grandes escritores nos aproxima tanto dessas histórias como de nossas próprias vidas.
11 - Spotlight: Segredos revelados
"Ganhador do Prêmio Pulitzer, este livro conta a história real de um grupo de corajosos jornalistas que denunciaram uma sucessão de abusos de crianças, obrigando a Igreja Católica a prestar contas. Em janeiro de 2002, o jornal The Boston Globe publicou uma série de reportagens que chocou o mundo. Centenas de crianças em Boston sofreram abuso sexual por parte de padres certos de sua impunidade, eles agiam com o aval das autoridades religiosas, que acobertaram seus crimes por décadas. As reportagens revelaram a obscena quantia gasta pela Igreja Católica com subornos para comprar o silêncio das vítimas cujas vidas foram devastadas por pedófilos que, vestidos com o hábito, tinham o Pai Nosso na ponta da língua. A denúncia abalou as estruturas da Igreja Católica e deixou milhões de fiéis no mundo inteiro estarrecidos, furiosos e indignados: a instituição, em vez de servir e proteger a comunidade, usou sua poderosa influência para se resguardar do escândalo. Este relato, que inspirou o filme Spotlight, indicado ao Oscar em 6 categorias, é uma exposição violenta e importante do abuso de poder por uma das mais altas esferas da sociedade. The Boston Globe foi o único jornal que teve a persistência e a coragem de enfrentar essa história, forçando a arquidiocese de Boston a quebrar o sigilo de documentos internos, que escancararam, finalmente, as proporções do escândalo. Peggy Noonan, The Wall Street Journal".

12 - Novelas exemplares
Antes da publicação da segunda parte de Dom Quixote, em 1613, Cervantes lança uma outra aventura: Novelas exemplares. Como gênero literário, a novela já existia, mas, como nota o próprio Cervantes, ele é o primeiro a tentá-la na Espanha. Ele experimenta o gênero em todas as direções possíveis, com relatos bizantinos, cortesãos ou picarescos. E mais: busca estabelecer um padrão realista, fala do cotidiano das pessoas, de uma Espanha que podia ser vista da janela de casa. É interessante notar como ele, filho de uma sociedade machista, sabe das dores femininas e pinta mulheres inteligentes e espirituosas, quando outros as queriam apenas lindas e submissas. É exemplar como Cervantes, homem de temperamento satírico, conseguiu despistar a censura, deixando transparecer entre exaltações aos reis e à Igreja, seu país violento e sensual, trapaceiro e cobiçoso, em que o estupro, por exemplo, é aceito com naturalidade, e um casamento é o único sinal de respeito que se tem pelas mulheres. A edição traz aparatos críticos de estudiosos do autor, notas, poemas em sua versão original e ilustrações.