Onde deixarei meu coração - Sarra Manning

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Título: Onde deixarei meu coração
Autora: Sarra Manning
Editora: Galera
Páginas: 334

Simples, careta e sem graça. É assim que Bea se vê. Então quando a super descolada Ruby e seu bando de populares passam a se interessar por sua opinião, isso só pode ser uma pegadinha. Certo? Pelo menos é assim que sempre acontece nos filmes... Mas o convite para passarem as férias em Málaga parece pra valer. E com um bônus: Bea pode se afastar da mãe irritante e controladora.

No entanto, depois de apenas 48 horas na Espanha, Bea se flagra mudando o itinerário. A menina decide visitar Paris para encontrar o pai que nunca conheceu. Afinal, a cidade luz pode emprestar um pouco de clareza a um período nebuloso de sua vida familiar. No caminho, ela conhece Toph, um estudante americano mochilando pela Europa.

Enquanto procuram pelo pai dela nos cafés e boulevards de Paris, ela perde a cabeça em vez disso. Será que Bea é a garota de Toph ou a boa menina que sua mãe espera que ela seja? Ou será esse o verão mágico em que Bea finalmente torna-se dona do próprio nariz?

Um livro adolescente, mas que fala sobre temas interessantes e que mostra o crescimento e amadurecimento da personagem, em uma época da vida que as pessoas costumam prezar muito por aceitação e opinião alheia. É possível se identificar com algumas coisas que acontecem na vida de Bea, porque pelo menos alguma coisa já passamos ou vimos alguém passar.

Bea sempre foi uma adolescente "certinha", do tipo que sempre vai a escola, pilates com a avó e sai para passear com os irmãos gêmeos, pelo fato de ter uma mãe controladora que não a deixa fazer nada.

Sem nunca ter sido notada ou ter destaque entre os grupos da escola, um dia ela ganha uma oportunidade no grupo das populares, que a chamam para andar com elas. De princípio ela não quer muito, mas acaba indo e se encantando por ter tido essa "chance" de ser reconhecida por alguém, ainda mais por serem as meninas de que todos queriam ser amigos.

Necessitando da aprovação do grupo e com ajuda da avó, ela convence a mãe a deixar-lá sair com as novas amigas todos os sábados a noite. Depois de algum tempo, ela também é convidada para passar férias em Málaga com essas meninas.

Chegando em Málaga, tudo começa a mudar. Bea, que era sempre bem tratada pelo grupo, passa a ser deixada de lado e descobre que tudo, desde o convite a entrar para o grupo, não passava de um plano. Por ela ser certinha, as meninas a chamaram por ser mais fácil convencer suas mães a deixarem que elas viajassem sozinhas se Bea estivesse junto.

Depois de vários acontecimentos e humilhações, ela decide ir embora de Málaga e ir para Paris, onde mora seu pai, que ela nunca conheceu. A viagem dá errado, ela se perde e começa uma nova aventura na vida de Bea, que precisa se virar sozinha pela primeira na vida e escolher se volta para casa, onde será repreendida pela mãe, ou tentar ir a Paris, mesmo sem saber nada sobre o pai nem falar fluentemente o idioma.

O livro conta toda a trajetória de Bea, que no começo é uma pessoa que tem medo de expor sua opinião e por sempre ter vivido uma vida mais privada, começa a fazer algumas coisas idiotas quando enfim alguém começa a dar importância para ela, sempre querendo aprovação do grupo e não se impondo por ter medo de desagradar.

Da mesma forma, pela mãe nunca ter dado liberdade, ela tem medo de pedir as coisas e tem auto estima baixa, apesar de se sentir um pouco "sem graça", aceita as condições e imposições da mãe, que dá pitaco em tudo que a menina faz e sufoca a coitada com exceso de proteção.

O ponto de virada começa quando ela é humilhada na viagem. Cansada de aguentar vários desaforos, Bea decide dar um basta na situação e decide se mostrar, parar de sofrer tudo calada e falar tudo o que estava “entalado”.

Depois do episódio, ela se vê sozinha pela primeira vez na vida em um país diferente e é forçada a tomar decisões sobre sua vida que até então nunca havia precisado.

É muito interessante acompanhar o crescimento da personagem e o desenvolvimento de sua personalidade, que passa de alguém que vive a sombra dos outros, sem opinião própria, para uma pessoa capaz de cuidar da própria vida e qu e se impõe diante das situações. Apesar de ainda ter algumas atitudes infantis e egoístas, Bea amadurece muito durante o desenvolvimento da história.

Durante a viagem pela Europa e Paris, ela faz novos amigos, conhece um garoto, Toph, que embarca com ela nessa viagem de conhecimento e é muito bacana ver como o personagem também ajuda no crescimento de Bea. Obviamente rola um romance, mas o foco durante a maior parte do livro é na amizade e companheirismo dos personagens.

Acontecem várias coisas que não cabem contar porque seriam spoilers, mas o livro trata bastante sobre relacionamentos pessoais, não só amorosos, mas relacionamento com outras pessoas, amigos e família, sobre construção de personalidade, amadurecimento e sobre o processo de desconstrução da da imagem que as pessoas têm da gente e o que de fato somos ou queremos ser.

Sobre relacionamento familiar, temos o confronto entre Bea e a mãe, que sempre teve a menina em rédeas curtas e precisa aceitar esse novo lado, onde sem autorização ela decide ir em busca do pai, que sempre foi assunto proibido em casa. Nessa jornada, ela não descobre apenas fatos sobre pai, mas sobre sua mãe e o motivo do pai nunca ter vindo a tona.

A narração é feita em primeira pessoa, o que é um ponto positivo nesse livro porque podemos e acompanhar todas as fases da Bea conforme o que ela está sentindo no momento. A narração é bastante fluída e, apesar de ter quase 400 páginas, dá pra ler super rápido. Além disso, temos uma viagem por alguns pontos de Paris junto com ela, e conhecer um pouco de outros lugares sempre é um ponto positivo.

É um livro com uma trama adolescente, então tem algumas intrigas e algumas coisas mais fúteis. O ponto negativo fica por conta de algumas partes, principalmente quando ela está se relacionando com novas amigas, onde acontecem algumas coisas que deixa o livro um pouco parado.

Porém, apesar de adolescente, tem uma história bacana e acredito que pode ser lido por todas as faixas etárias e todos que interessem pelo tema.

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário