Enquanto eu te esquecia - Jennie Shortridge

sábado, 23 de agosto de 2014

Autora: Jennie Shortridge
Editora: Única
Páginas: 384
Compre aqui

Lucie Walker não se lembra de quem é ou como foi parar nas águas geladas da Baía de São Francisco. Encaminhada para uma clínica psiquiátrica, ela aguarda até que um homem chega afirmando ser seu noivo. Entretanto, com seu retorno para casa, essa mulher sem memória vai tomando conhecimento de sua personalidade antes do acidente, da pessoa controladora, fria e sem vida que era, e dos segredos da infância e da família, assim como da situação do noivado e dos mistérios que podem ter provocado o acidente.
Será que ela quer isso de volta? Será que essa nova Lucie conseguirá manter o amor por Grady, ou a oportunidade de recomeçar será sua salvação?

Lucie não se lembra de nada antes de ser encontrada na Baia de São Francisco. Não sabe quem é, quem são são amigos ou parentes nem se lembra de qualquer coisa de sua vida antes desse dia.

Quando Grady, o rapaz que diz ser seu noivo, aparece na clínica para buscá-la, ela fica confusa, mas retorna com ele para casa após ele provar que é realmente quem está falando. Sem reconhecer nada, Lucie tem que recomeçar sua vida. Sua personalidade também mudou completamente e ela não lembra em nada a pessoa mesquinha e controladora que sempre foi. E Grady percebe que a sua noiva agora é uma pessoa completamente desconhecida.

"Ele era um homem bom e devia ter amado a antiga Lucie Walker de todo o coração, mas ela não era aquela pessoa. Não mais, se é alguma vez tivesse realmente sido. E, sim, é claro, a evidência era inegável. Ela era Lucie Walker. E não Era". Págs. 108 e 109

Imagina você acordar sem se lembrar de nada do seu passado ou de quem você é. E como se não bastasse, ainda ter que dividir a casa com uma pessoa 'estranha', além de vizinhos e pessoas próximas te julgando por coisas que você não faz ideia que fazia. Essa é a nova vida de Lucie.

O livro é muito bem narrado e apesar das quase 400 páginas, dá para ler rapidinho e sem ficar cansativo. Algumas partes são muito detalhadas, mas nada que atrapalhe ou dê sono. Até porque, pela forma como a história se desenvolvem, sempre fica aquela dúvida e curiosidade de como vão acontecer as coisas. Será que Lucie vai se lembrar do passado? E o que ela vai fazer caso se lembre, agora que é praticamente outra pessoa? Ela vai se apaixonar por Grady de novo? O que aconteceu antes dela perder a memória? E o principal, qual é o passado de Lucie que nem o seu noivo tem conhecimento?

Durante essa busca de Lucie pelas suas memórias, tentando descobrir quem era, principalmente antes de conhecer Grady, já que ela nunca contou para ela como foi o seu passado, ela vai descobrindo coisas sobre si mesma, algumas chocantes, outras das quais ela não gosta e faz algumas mudanças, como o novo relacionamento com os vizinhos.

E no meio disso tudo ainda tem o noivo. Grady é um personagem super querido, que faz de tudo para Lucie se sentir a vontade e tenta de todas as formas ajudar na sua adaptção, quando na verdade nem ele está a vontade com a situação. Porque, afinal de contas, essa nova Lucie não é a pessoa que ele conhecia ou por quem se apaixonou.

"O que é amor, ela conjecturou, e o que é lembrança? Onde que os dois se intersectam e quando deixará de importar qual veio primeiro?", Pág. 379

O livro é narrado em terceira pessoa e os capítulos são intercalados entre Lucie, Grady e Helen (tia da Lucie), o que é sempre bom porque dá pra ver um pouco do lado de cada pessoa e como cada um está lidando com a situação.

Helen, a tia, é a peça para o passado de Lucie. Elas não tiveram muito contato desde a infância de Lucie, mas agora Helen quer fazer do presente da sobrinha e Lucie quer descobrir mais do seu passado, então elas acabam se conhecendo melhor. E essa á também mais cansativa do livro. Uma coisa que aconteceu no passado de Lucie é a chave de toda a crise dissociativa, mas achei que saiu um pouco do caminho que o livro estava percorrendo. E além da tia Helen ser chata, os capítulos dela ficaram meio perdidos no livro.

No fim, tudo acaba fazendo sentido para as coisas terem acontecido do jeito que aconteceram. Agora o fim do livro ficou meio aberto, de forma que dá margem a mente criativa do leitor para imaginar o que aconteceu de fato, coisa que também não me agradou, porque eu gostaria de saber o que aconteceu realmente sem ter que ficar fantasiando. 

Mas enfim, é uma história bonita de acompanhar, que fala um pouco sobre a crise dissociativa e também sobre amor, recomeços, segundas chances e redescoberta. Sabe aquela pergunta que a gente sempre escuta: "Se você não fosse quem você seria?", é mais ou menos isso, Lucie tem a chance de ser quem ela era ou ser uma pessoa melhor. E o livro deixa ainda essa reflexão, de que não precisamos deixar nosso passado ditar quem seremos. Vale a leitura.

"Nem tudo o que parece um mistério na vida vem de uma lembrança perdida. A vida é cheia de coisas que não conseguimos compreender". Pág. 376


Comentários via Facebook

8 comentários:

  1. Eu adorei esse livro, li rapidinho justamente pela curiosa de saber quem foi a Lucie não só antes do acidente, mas também antes do Grady!
    Eu também não gostei tanto do final por ser muito aberto, eu sempre fico agoniada com finais assim, mas entendi e achei que até fez todo o sentido a autora ter deixado assim.
    Ficou ótima a resenha! =]

    Beijos,
    Fer - http://viciosemtres.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Glaucea,
    Esse livro me lembrou aquele filme com a Sandra Bullock, acho que é "enquanto você dormia", ok não tem muita coisa a ver, porque no filme é o cara que fica sem a memória e tal..mas não sei porque me lembrou talvez por o nome da personagem ser o mesmo..rssr...Enfim achei a história interessante, ainda mais por esse toque de o passado esconder segredos que ninguem conhece. Gosto bastante quando temos a intercalação dos capítulo, porém parece que essa ideia de colocar a Tia dela no meio não ficou muito bom. E infelizmente o final não te agradou ne? Isso é muito ruim quando acontece, acredito que o autor deve sim deixar o leitor livre para imaginar, mas não tanto ne. Enfim adorei a resenha e a dica.
    Bjss
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Gostei da resenha Glaucea. Esse livro me chamou bastante a atenção desde o seu lançamento e se tiver a oportunidade pretendo lê-lo. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  4. Olá Glaucea.

    Eu não sou fã de livros em que o final fica em aberto, porém a história parece ser bastante interessante.

    Beijos, Paradoxo Perfeito

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Não conhecia esse livro, parece ser bom! Parabéns pela resenha!

    Beijos, Kamila

    www.vicio-de-leitura.com

    ResponderExcluir
  6. ahahahah finais em aberto me deixam nervosa pois cada um pode imaginar uma coisa, e eu prefiro sempre tudo no preto e no branco.

    Beijos
    http://www.partesdeumdiario.com/

    ResponderExcluir
  7. Glaucea, não conhecia esse livro, mas amei a sua premissa e a mensagem que ele carrega! Quero muito lê-lo em breve!

    Beijos,
    Caroline, do criticandoporai.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Já vi esse livro em alguns blogs
    Gostei da resenha e ele parece ser bom
    Além dessa capa linda

    Beijos
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir